Quão Estranho e Maravilhoso é o Amor de Cristo

Por muitos anos eu tenho procurado entender como o fato de Deus ter a si mesmo no centro de tudo se relaciona com o Seu amor por pecadores como nós. A maioria das pessoas não vê de imediato a paixão de Deus pela Sua glória como um ato de amor. Uma razão para isso é que nós absorvemos a definição que o mundo possui de amor. Ela diz: você é amado quando fazem com que você seja destacado. Em outras palavras, amar alguém significa torná-lo ou torná-la importante.

O maior problema com esta definição de amor é que quando você tenta aplicá-la ao amor de Deus por nós, ela distorce a realidade. O amor de Deus por nós NÃO se concentra em fazer-nos importantes, mas em dar-nos a habilidade de torná-lo importante por toda a eternidade. Em outras palavras, o amor de Deus por nós faz com que Ele esteja no centro de tudo. O amor de Deus por nós exalta o Seu valor e a nossa satisfação nele. Se o amor de Deus nos tornasse o centro de tudo e focados em nosso próprio valor, ele nos distrairia do que é mais precioso, que é Ele mesmo. O amor trabalha duro e sofre para nos cativar com o que é infinitamente e eternamente gratificante: Deus. Portanto, Deus trabalha duro e sofre para quebrar nossa sujeição à idolatria do ego e focalizar nossas afeições no tesouro que é Deus.

Eu vi isso novamente na história da doença e morte de Lázaro.
Ora, um homem chamado Lázaro estava doente. Ele era de Betânia, do povoado de Maria e de sua irmã Marta. Maria, cujo irmão Lázaro estava doente, era a mesma que derramara perfume sobre o Senhor e lhe enxugara os pés com os cabelos. Então as irmãs mandaram dizer a Jesus: “Senhor, aquele a quem amas está doente”. Ao ouvir isto, Jesus disse: “Essa doença não acabará em morte; é para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela”. Jesus amava a Marta, à irmã dela e a Lázaro. No entanto, quando ouviu falar que Lázaro estava doente, ficou onde estava mais dois dias.
Note três coisas surpreendentes:

1) Jesus escolheu deixar Lázaro morrer. Versículo 6: “No entanto, quando ouviu falar que Lázaro estava doente, ficou onde estava mais dois dias.” Não havia pressa. Sua intenção não era poupar a família da dor, mas ressucitar Lázaro dos mortos.

2) Sua motivação era a paixão pela glória de Deus manifestada em Seu glorioso poder. Versículo 4: “Essa doença não acabará em morte; é para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela”.

3) Todavia, tanto a decisão de deixar Lázaro morrer quanto a motivação de magnificar a Deus eram expressões de amor por Maria, Marta e Lázaro. Versículo 5: “Jesus amava a Marta, à irmã dela e a Lázaro… por isso Ele ficou… onde Ele estava.”

Oh, quantas pessoas hoje – até mesmo cristãos – murmurariam a Jesus por insensivelmente ter deixado Lárazo morrer e fazer com que ele, Marta, Maria e outros passassem pelo sofrimento e pela agonia daqueles dias. E se eles vissem que isto foi motivado pelo desejo de Jesus de magnificar a glória de Deus, muitos diriam que isto foi rude ou insensível. O que isto mostra é como as pessoas colocam a vida livre de sofrimento muito acima da glória de Deus. Para a maioria das pessoas o amor é algo que coloca o valor humano e o bom-estar humano no centro de tudo. Por isso, o comportamento de Jesus é incompreensível para eles.

Mas nós não devemos dizer a Jesus o que é o amor. Não vamos instruí-lo como Ele deveria amar-nos e nos fazer o centro de tudo. Vamos aprender com Jesus o que é o amor e o que realmente é o nosso bem-estar. Amar é fazer o que for necessário para ajudar as pessoas verem e provarem a glória de Deus para todo o sempre. O amor mantém Deus no centro de tudo. É assim porque a alma foi feita por Deus.

Jesus mostra que este caminho é correto pela Sua oração em João 17:24: “Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estou e vejam a minha glória, a glória que me deste porque me amaste antes da criação do mundo”. O amor de Jesus o leva a orar por nós e a morrer por nós, NÃO para que o nosso valor seja o centro de tudo, mas para que Sua glória seja o centro de tudo, e para que nós vejamos e provemos isso por toda a eternidade. “E vejam a minha glória” – para isso Ele deixou Lázaro morrer, e para isso ele foi para a cruz.

Aprendendo como se sentir amado com o amor cujo centro é Deus.



Por: John Piper, via: monergismo.net.br, adaptação para o blog: rev. Ronaldo P Mendes

2 Comentários

  1. Olá Rev. Ronaldo, Graça e Paz…

    Maravilhoso texto, Parabéns!!!
    Não é fácil compreender o Amor de Cristo. O apostolo Paulo o definiu assim: Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram.E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmo, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.(2Co-5:14,15).
    Talvez isto seja muito difícil para o intendimento daquele que ainda não se converteu de coração a cristo. Ou por aqueles que tem a sua fé em Cristo com intuito de promoverem as sua vidas em fama e riquezas terrenas.
    Deus te abençoe……

  2. Prezado Rev. Ronaldo Mendes, gostei muito da sua Apologética e Dissertação em relação ao conteúdo da explanação do seu Blog. Que o Senhor nosso Deus continue cumprindo as Suas promessas na sua vida!Por favor quando você estiver orando, ore pelo meu
    ministério, por mim e pela minha família! Deixe o seu nome, que eu também estarei orando por você e pelos seus. Graça & Paz.

    http://www.drcarlosandrade.com

Comentários não permitidos.