Peça com Jesus transexual provoca manifestações na Escócia


“Jesus queen of Heaven”

A produção faz parte de festival que celebra cultura gay.
Cerca de 300 pessoas fizeram protesto na porta de teatro.
Cerca de 300 manifestantes realizaram um protesto à luz de velas do lado de fora de um teatro em Glasgow, na Escócia, no dia da estreia de uma peça que retrata Jesus como um transexual.
O protesto foi realizado na noite de terça-feira (4) em frente ao Tron Theatre, onde o espetáculo “Jesus, queen of Heaven” (“Jesus, a rainha do Paraíso”, em tradução livre) está em cartaz, como parte do festival de artes Glasgay!, que celebra a cultura gay, bissexual e transexual da Escócia. A peça, cuja temporada termina sábado (7), foi escrita e é encenada pelo autor transexual Jo Clifford.
Os manifestantes cantaram hinos religiosos e levantaram cartazes, com mensagens como: “Jesus, rei dos reis, não rainha do Paraíso” e “Deus: meu filho não é um pervertido”.
Os organizadores do festival, que afirmaram que não têm a intenção de incitar reações ou ofender ninguém, classificaram os cartazes de “provocativos” e disseram que eles podem ser vistos como incitação à homofobia.
Produtor rebate protestos
O produtor do Glasgay! Steven Thomson disse que “‘Jesus, queen of Heaven’ é um trabalho de ficção literária explorando a viagem pessoal de fé do artista como um transgênero”.
“O Glasgay! Apoia o direito de liberdade de expressão das artes e oferece ao público uma visão diversa da vida GLBT (gays, lésbicas, transexuais e bissexuais). Este trabalho não tem a intenção de incitar ou ofender ninguém de nenhuma crença, mas respeitamos o direito dos outros de discordar desta opinião. Vamos dar as boas vindas a membros do público genuinamente interessados que queiram entender a intenção artística por trás deste trabalho”, afirmou Thomson.
O Glasgay! é descrito como “a comemoração anual da cultura gay da escócia” e é financiado pelo Conselho das Artes da Escócia, Event Scotland, pelo Bureau de Marketing da cidade de Glasgow e pelo Conselho da Cidade de Glasgow.(1)
A BÍBLIA DIANTE DISSO:
O Senhor nos orienta sobre isso: “Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém! Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.”(Rm 1.23-27).
Nós não odiamos o nosso próximo, pois assim estaríamos errados uma vez que Jesus disse para amar e orar por eles (Mt 5.44), mas não concordamos com suas perversões. Eles desonram a Deus e brincam com seu nome. O Senhor nos diz em sua Palavra: “A mim me pertence a vingança….”(Dt 32.35) e também: “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens…”(Rm 1.18). Deus trará o juízo no tempo certo.
Porém devemos saber qual a nossa posição diante disso. Veja o que diz o apóstolo Paulo: “Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.” (Rm 1.32). Não somente os que praticam tais abominações serão julgados, mas também aqueles que aprovam tais aberrações. Não devemos nos conformar com isso: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente…”(Rm 12.2). Temos liberdade para expressar a nossa fé conforme a lei dos homens (Lei Constitucional n.º 1/2004), e principalmente a autoridade da Palavra de Deus que não está Subjugada por homem algum (Hb 4.12). Então não devemos nos calar.
O homossexualismo é uma perversão do homem. E para se livrar dessa perversão não basta “conhecer” Jesus e sim abandonar estas práticas reprovadas por Deus. Jesus curava muitas pessoas e dizia: “… vai e não peques mais.”(Jo 8.11). O Senhor não estava preocupado somente com feridas externas, mas principalmente com a vida espiritual do homem. E para alcançar essa vida espiritual, este homem precisava e precisa abandonar o pecado. Na carta aos coríntios lemos: “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus.” (1Cor 6.9-10). Fica bem claro no texto que o “efeminado” é colocado no mesmo nível do idólatra, ladrão, viciado, avarento etc. Ou seja, toda expressão de “fé” de um homossexual que não se arrependeu dos erros é condenada por Deus.
Quero finalizar com as Palavras transformadoras do nosso SENHOR JESUS CRISTO: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.” (Mt 3.2).

Rev. Ronaldo P. Mendes
(1)Fonte: http://g1.globo.com/ (obs. A foto acima é oficial do cartaz do teatro)