O poder da fé

Hebreus 11.23-29
“23 Pela fé, Moisés, apenas nascido, foi ocultado por seus pais, durante três meses, porque viram que a criança era formosa; também não ficaram amedrontados pelo decreto do rei. 24 Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, 25 preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; 26 porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão. 27 Pela fé, ele abandonou o Egito, não ficando amedrontado com a cólera do rei; antes, permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível. 28 Pela fé, celebrou a Páscoa e o derramamento do sangue, para que o exterminador não tocasse nos primogênitos dos israelitas. 29 Pela fé, atravessaram o mar Vermelho como por terra seca; tentando-o os egípcios, foram tragados de todo.”
Vemos na carta aos Hebreus a superioridade de Jesus. Ele é superior aos profetas, aos anjos e aos sacerdotes. Toda a carta gira em torno da obra perfeita de Cristo. Mas para nos aproximar dEle é necessário termos fé, pois: “… sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” (11.6). Mas o que é fé? “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.” (11.1).
É comum ouvir pessoas “desafiando” o Senhor, “determinando” bênçãos e “profetizando” prosperidade. Muitas delas vivem numa busca cega por milagres como se a fé cristã se limitasse somente a isso. A fé genuína não é uma “fé na fé” (ex.: por eu ter fé, Deus me abençoará), mas sim uma fé verdadeira em Deus e obediência à sua Palavra, mesmo que as circunstâncias sejam adversas.
Jesus disse: “… Tudo é possível ao que crê.” (Marcos 9.23). Claro que Deus pode fazer milagres, ele é o mesmo ontem, hoje e sempre será (cf Malaquias 3.6). Mas lembre-se que exercer a fé não se limita somente à busca ansiosa por prosperidade e sinais (Lucas 11.29).

Conforme o texto de Hebreus, o que a fé pode fazer realmente?

I) A fé nos faz abandonar o mundo e seus prazeres (v.24-26)

Moises recusou ser chamado filho da filha de Faraó (v.24) – Não que uma posição de destaque seja ruim, mas a verdadeira fé busca aquilo que edifica e glorifica a Deus: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.”(1Cor 6.12). A verdadeira fé em Cristo nos faz abrir mão de coisas aparentemente boas, mas que não glorificam a Deus. O salmista diz: “Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, SENHOR, a tua presença.” (Sl 27.8).
Moises considerou o opróbrio (maldição e desonra) de Cristo (v.26) – Moises escolheu ser maltratado com o povo de Deus. O que Moises fez aponta para o que Cristo fez; abriu mão de sua glória por amor.

Aplicação:
Essa é a finalidade da vida cristã; que vivamos juntos, unidos em amor: “…unidos de alma, tendo o mesmo sentimento.” (Fp 2.2). Se for necessário abra mão das coisas deste mundo para que isso aconteça. Ainda vemos na vida de Moises que:

II) A fé nos faz permanecer firmes em meio às dificuldades (v.27)

Moises não ficou amedrontado (v.27a) – Esse: “Não se atemoriza de más notícias; o seu coração é firme, confiante no SENHOR.” (Sl. 112.7). Deus nos reveste de poder para não sermos tímidos ou covardes: “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.” (1Jo 4.18).
Permaneceu firme (v.27b) – É bem claro o texto onde lemos: “O qual respondeu: Quem te pôs por príncipe e juiz sobre nós? Pensas matar-me, como mataste o egípcio? Temeu, pois, Moisés e disse: Com certeza o descobriram.” (Êx 2.14), aqui Moises foge para Mediã, pois sabia que o Faraó poderia fazer mal, então ele “temeu”. São temores comuns que acontecem. Mas o texto de Hebreus se refere ao êxodo, a saída do povo do Egito, e nisto, Moises não tinha medo. O verso 27 de Hebreus descreve o êxodo em termos gerais. Ele confiou em meio às dificuldades, pois a sua fé era verdadeira.

Aplicação:
A fé, a confiança nos planos de Deus, nos faz permanecer firmes em meio às dificuldades: “Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre.” (Sl 125.1)

III) A fé nos faz receber as bênçãos de Deus (v.28-29)

Pois assim como Moises, o crente fiel, confia naquilo que não vê (v.28) – Deus mandou e Moises obedeceu. É importante destacar que a bênção veio depois da obediência de Moisés: “Tomarão do sangue e o porão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem;… Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até aos animais; executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR. O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito.” (Ex. 12.7; 12-13). Moisés creu e obedeceu e assim Deus o abençoou. Moisés não disse para o Senhor: “Eu determino a liberdade do meu povo, pois tenho fé” ou “Eu não aceito ir sozinho determino a ‘você’ Deus, alguém para ir comigo”. Pelo contrário, ele foi submisso e obediente.

Pois vemos cumprir a vontade de Deus (v.29) – Quando cremos em Deus e confiamos em suas palavras, vemos se cumprir as suas promessas: “Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas.” (Lc 1.37). Moisés viu o poder de Deus realmente agir na sua vida.

Aplicação :O exercito do rei da Síria cercou Israel em um período no ministério de Eliseu, e seu ajudante vendo isso disse: “…Ai! Meu senhor! Que faremos?” Eliseu disse: “…Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.” E então Eliseu ora: “…SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos para que veja. O SENHOR abriu os olhos do moço, e ele viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu.” (2 Rs 6.15;17). O poder do Senhor protegia o seu profeta. E Eliseu tinha fé. E se continuarmos lendo o texto veremos que o Senhor livrou o povo. Precisamos abrir os nossos olhos espirituais para vermos as maravilhas de Deus.

Conclusão final: Falamos sobre o poder da fé não uma fé cega, mas viva. A fé que a Bíblia nos ensina não é uma “fé na fé”, uma fé que tenta convencer a Deus. Esse tipo de fé gira em torno, na maioria das vezes, dos bens materiais. Às vezes precisamos ter os olhos espirituais abertos. A verdadeira fé é provada pelo fogo (cf 1Pe 1.7). Ela é um dom de Deus (cf Ef 2.8), e Ele se agrada quando buscamos crescer nessa fé.

2 Comentários

  1. Meu irmao, Graça e Paz,

    Que alegria foi receber a sua visita em nosso blog, Missões Venezuela, saiba que me alegro de conhecer pastores que amam a obra missionária.

    Deus atençoe muito sua familia e ministério.

    Forte abraço.

    Teu irmao em Cristo.

    Pb. Rodrigo Allan
    Miss. em Venezuela

Comentários não permitidos.