A RESTAURAÇÃO DO TABERNÁCULO CAÍDO DE DAVI

“Naquele dia, levantarei o tabernáculo caído de Davi, repararei as suas brechas; e, levantando-o das suas ruínas, restaurá-lo-ei como fora nos dias da antiguidade; para que possuam o restante de Edom e todas as nações que são chamadas pelo meu nome, diz o SENHOR, que faz estas coisas.” (Amós 9.11 -12)

O livro de Amós começa com o anúncio do castigo que as cidades vizinhas de Israel sofrerão por causa da crueldade de sua conduta na guerra. Damasco, Bete-Éden, Gaza, Asdode e outros lugares são mencionados em uma série de oráculos que precedem o da condenação a que Judá e Israel também tornaram-se merecedores (1.3 – 2.16); pois, mesmo sendo escolhido, Deus não deixará impunes os pecados que cometeram. Muito ao contrário, precisamente por causa da sua eleição, o compromisso contraído por Israel e a sua responsabilidade aos olhos de Deus são maiores. Em conseqüência, mais severo será o castigo merecido pela sua conduta (3.1-2).

A mensagem central de Amós apresenta, dessa forma, uma crítica contra a sociedade israelita da época. O profeta ataca a injustiça social reinante, o enriquecimento por parte de muitos às custas dos pobres, explorados sem compaixão (3.10; 5.11; 8.4-6); o suborno e a prevaricação de juizes e tribunais (5.12); a opressão, a violência e até a escravidão a que os mais pobres são submetidos (2.6; 8.6). O profeta proclama que o Senhor não ficará indiferente diante de pecados como estes, mas castigará aqueles que os cometem (2.13-16; 4.2-3; 5.18-20; 8.3); em vista disso, clama a todo Israel: “Prepara-te, ó Israel para te encontrares com o teu Deus” (4.12).

A última parte do livro (7.1 – 9.10) contém uma série de visões que anunciam a impossibilidade de se escapar do juízo de Deus, do castigo iminente que lhes há de sobrevir apesar dos apelos insistentes de Amós (7.2,5). Porém, ainda que tais juízos e o castigo anunciados sejam inevitáveis, também é certo que não quer destruir a Israel, mas reedificá-lo e restaurá-lo, para que continue sendo, já em liberdade, o povo da sua eleição (9.11-15).

Deus tem um povo e não deixará que ele pereça.

Deus é o Senhor da aliança e ele firmou uma aliança no Éden ao dizer: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gênesis 3.15), e esta aliança é a aliança de salvação. Deus a confirmou com Noé: “(Gênesis 9) e com Abraão (Gênesis 12; 17). Deus confirmou-a com Davi ao dizer: “Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será estabelecido para sempre.” (2 Samuel 7.16). Salomão o filho de Davi ouviu o Senhor dizer: “…confirmarei o trono de teu reino sobre Israel para sempre, como falei acerca de Davi, teu pai, dizendo: Não te faltará sucessor sobre o trono de Israel.” (1Reis 9.5).

Deus é fiel a sua aliança! Assim ele promete restaurar o tabernáculo caído de Davi.

Mas como Deus faz isso?

Ele faz uma promessa da salvação “Naquele dia”(v.11)

“Naquele dia” – Este termo descreve o tempo de libertação de Israel. O que Deus faria nesse tempo? Levantarei o tabernáculo caído de Davi. O Senhor levantará não por mãos humanas – O Tabernáculo era a tenda provisória onde o Senhor falava com seu povo conforme encontramos em Êxodo 33.7-10. A idéia aqui em Amós é a figura de uma dinastia deposta. Um reino caído que seria restabelecido.

“Restaurá-lo-ei… como na antiguidade (v.11) – Será continuidade da aliança com Abraão: “Ora, disse o SENHOR a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei;de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” (Gn. 12.1-3).

A promessa que o Senhor faz aqui, ao povo de Israel que estava indo para o cativeiro no tempo de Amós, era de restauração, que foi cumprido em parte quando o povo retornou para sua terra (ex: Neemias 1). Mas o Senhor faz uma outra promessa:

A promessa da possessão “Para que possuam” – O que o povo iria possuir com essa restauração? Edom – Um povo ímpio; o seu remanesceste também seria alcançado.Todas as nações que são chamadas pelo meu Nome. (lit. “Sobre o meu nome é chamado” indica subordinação ao nome de Deus). A promessa de Deus é o povo restabelecido em sua terra o qual possuiria as nações.

Mas o que de fato quer dizer essa promessa?

O comprimento das promessas: Veja o que diz o evangelho de Mateus: “Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.” (Mt 1.1) – Aqui vemos a linhagem real de Jesus. As promessas feitas a Abraão e a Davi se cumprem em Cristo.

Em Atos 15 vemos o relato da controvérsia entre os judeus e gentios convertidos. Para os judeus, os gentios deveriam ser introduzidos no judaísmo através da circuncisão. Só assim eles teriam parte na aliança de Deus. Porém os relatos dos apóstolos mostraram que não era assim, pois os gentios poderiam pensar que a salvação dependeria do esforço humano. Com isso, Tiago toma a palavra e diz: “Irmãos, atentai nas minhas palavras: expôs Simão como Deus, primeiramente, visitou os gentios, a fim de constituir dentre eles um povo para o seu nome. Conferem com isto as palavras dos profetas, como está escrito: Cumpridas estas coisas, voltarei e reedificarei o tabernáculo caído de Davi; e, levantando-o de suas ruínas, restaurá-lo-ei. Para que os demais homens busquem o Senhor, e também todos os gentios sobre os quais tem sido invocado o meu nome, diz o Senhor, que faz estas coisas conhecidas desde séculos.” (Atos 15.13-18).

“Cumpridas estas coisas” (At. 15.16) – “Levantarei tabernáculo caído de Davi” Quem levantará este tabernáculo?
O seu descendente, Jesus Cristo (cf Mateus 1.1; João 7.42)
Tabernáculo caído = A dinastia (família linhagem) de Davi o homem segundo o coração de Deus.O descendente restauraria a o tabernáculo que seria a “igreja” o “novo Israel” de Deus. Qual seria o objetivo? “Para que os demais homens busquem o Senhor” Gentios = todos os que não conhecem o nome de Deus. “Um povo para o meu nome” (Atos 15. 14) – Assim como o povo de Israel no AT Êxodo 19.5 os “gentios” se tornariam um só povo: “Naquele dia, muitas nações se ajuntarão ao SENHOR e serão o meu povo; habitarei no meio de ti, e saberás que o SENHOR dos Exércitos é quem me enviou a ti.” (Zacarias 2.11).

“Tem sido invocado o meu nome” (Atos 15. 17 cf Amós 9.12) – “Invocado” traz idéia de dependência “… todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (At.2.21). Tiago diz que “… os gentios sobre os quais tem sido invocado meu nome (nome de Deus)”, então o ímpio invoca o nome de Deus? A idéia aqui é de dependência. No livro das Crônicas há um exemplo: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.” (II Crônicas. 7.14). Invocar não é somente clamar a Deus, é humilhar, orar e se converter dos seus maus caminhos. São aqueles que choram por causa do pecado: “Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.” (Mateus 5.4).

Nessa linha de pensamento, o apóstolo Paulo diz aos irmãos em Éfeso: “Portanto, lembrai-vos de que, outrora, vós, gentios na carne…, naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo. Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo.” (Efésios 2.11-13). A igreja é o novo tabernáculo de Davi!!

Conclusão: A tenda ou tabernáculo era chamada de “tenda da congregação”. Era uma estrutura temporária que servia como um lugar de encontro para Deus e Moisés até que o verdadeiro tabernáculo pudesse ser construído (Ex 33.7). Em outras palavras, a “tenda” ou “tabernáculo” era sinal da presença de Deus com o seu povo.

O “tabernáculo de Davi” – ou a “casa de Davi” era o reinado de Davi (cf Isaías 7.13), a sua dinastia. Os reis que seguiram depois de Davi pertenciam a linhagem prometida por Deus. No entanto, estes reis depois de Davi caíram e juntamente com eles a adoração a Deus. Mas Deus promete esta restauração.
E o cumprimento dessa promessa de Salvação se chama: Jesus Cristo e sua igreja!

Todo aquele que serve a Jesus faz parte do novo Israel de Deus. Mas uma última coisa a ser destacada é a nossa responsabilidade diante desta benção: “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” (Atos 1.8). Testemunhar os feitos de restauração de Deus!

Por: Rev. Ronaldo P. Mendes

1 Comentário

  1. Se a igreja é o tabernáculo de Davi restaurado, então a igreja é as doze tribos de israel, casa de Judá e a casa de Israel (dez tribos) “perdidas” que compunha o reino do norte e agora estão sendo alcançadas pelo evangelho do Senhor, e no futuro formarão uma só vara, um só reino,as DOZE tribos o tabernáculo de Davi restaurado, a multidão de salvos de todas as tribos línguas e nações de Apocalipse 7.

Comentários não permitidos.